quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Fina Flor

(foto D.M.)

Esvair de um sonho
Neste alucinado ar que respiro
Benfazejo sol da manhã
Que me cobre inteira
E me roça ao de leve
O peito nu

São letras tortas
Que escrevo
Neste caminho novo
Onde enquadro um rosto
E lhe desenho um corpo
Que me queira a jeito
De me ter sua
Enquanto m’enrolo
Neste lençol de pano cru

Tão cru
Quanto a estopa de linho
Que se faz vestes
Nas suas mãos
E se faz terra,semente
Ou fina flor somente

2 comentários:

Lídia Borges disse...

"Esvair de um sonho" Uma imagem que corre como água na vertente do meu sentir.

Um beijo

Luiz Sommerville disse...

Belíssima a tua poética !

FELIZ ANO NOVO !

Beijinho.