sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Cai o céu na escuridão



À noite a luz
É mais luz
Cai o céu na escuridão
E a estrela grávida
É um círculo imaginário
A perder-se nos dias
E nos momentos
Que nascem
Sem hora
Sem nora
Sem sim
E sem não

Luzes pendulares
Dourados os olhares
Meticulosas arestas
Ao encontro
De todos os desencontros
Pontos tornados vivos
Na escuridão

Súmulas de todos
Os encaixes tumulares
Ao relento
Sempre ao relento
Dos olhares
Que tombam
Nos arabescos
Registo nas palmas
Das minhas mãos

Gotículas em cascata
Fantasmas sem olhos
Corpos sem braços
Mãos sem dedos
Para escrever
Só para descrever
O cansaço
Este cansaço

E as dornas cheias
E as uvas
E o vinho
E o mosto
É rei posto
É vasto
O calafrio nos pés
Dos cantantes

Mutantes sem unhas
Sem dedos
Sem pele
E o mosto
É na boca
Ao desafio
Pelos cantos
De uma película
Que s’estranha
Tão estranha
Quanto a dor
Que se infiltra
Na minha pele

São medonhos
Os travestidos
Na escuridão
**********
(Foto minha - Luminescencia)

1 comentário:

esferografia disse...

O que sei Dolores, é que tua poesia é linda encheu meus olhos de brilho ler-te assim tão fascinante, por isso sigo-te!