sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Saudações



Saúdo-Vos Amigos de todos os tempos, amigos de um tempo que não cesse nunca, para que não me sinta só mais uma pessoa a caminhar descalça.

Caminho mas num andar brando quase inanimada, sem força nas pernas , nem a força necessária no corpo, para poder avançar.


Esforço-me mas não sei como chegar, sem pisar as mesmas pegadas que já foram varridas pelo tempo há tanto tempo.


Amigos que me vêm sem me saberem de outro lugar, que não o das palavras que escrevo, vêm além delas mesmas, ou então, além de mim neste plano onde o abandono se fez lugar e o esquecimento se fez pesar na minha mente.


Tento alcançar a longevidade, doação desde todos os tempos mas não sei onde me encontrar.


Tento lembrar todos os eventos que tiveram lugar, num outro lugar e não alcanço esse lugar


Porque nada me diz nada, não sei como conseguir chegar.


De que vale ter olhos e não ver, ter pernas e não andar, ter corpo e não se saber movimentar,ter os sentidos todos, e não saber como usufruir dessa dádiva de todos os tempos.


Tenho medo de cair, e caio tantas vezes quantas as que me fizeram chegar.


Tenho medo de andar e ando tantas vezes quantas as que me fizeram partir.


Só sinto medo:

medo de perder o andar

medo de perder a fala

medo de perder a visão

medo de perder a sensibilidade necessária para o prazer desmedido que me faz ser ainda alguém, pronto para aceitar a vida e tudo o que quiser ser, ou não ser, mesmo sem conseguir caminhar.


Saúdo-Vos amigos

3 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Belo e profundo texto, parabéns.Beijos

Ricardo Kersting disse...

Gostaria de poder dizer que não deves ter medo, nem sentir ansiedade na dúvida do porvir...mas não posso porque eu também assim me sinto...! Também tenho medo de abrir os olhos de manhã e nada mais ver, de não poder ouvir os sons da natureza, de não mais andar sobre as folhas de outono e cantar....de não mais saber de nada e enlouquecer sozinho...!

Sonhadora disse...

Minha querida

Há nas tuas palavras um silêncio de veias e sangue...de terra e cal...cicatrizes calcinadas...feridas ardentes...rosas magoadas.
Disseram-me tanto, costumo passar aqui em silêncio, adoro o que escreves.

Deixo um beijinho e votos de um Feliz 2012.

Beijinhos
Sonhadora