terça-feira, 16 de março de 2010

Quisera Eu...(com Jomasipe)



(Tela, de Jomasipe)

Adicionar imagemRecolhe-me em teus braços, profundamente abençoado
Colhe meus cabelos molhados, segue o meu destino
Oculta-me as lágrimas em marés intensamente queimadas de chuva,
Une-te em laços fortes.

(Os ventos já não nos alcançam)

Quisera ter-te na lembrança que me orientou um dia
E me fez chegar perto do teu corpo; quente, casto, maduro, insano
Potenciando a minha clausura num silêncio oculto e imaculado
Induzido por um desejo aceso que é ter-te no fim de tudo

(Quisera eu, alongar-me nesta nossa loucura…)

Deambulo vadio pelas noites que se esfumam
No teu mar intenso
Quebra-me as asas, não me deixes voar
Sê una em mim, acalenta-te em meus braços

(Edifico-me em ti…porque te quero em mim)

E se eu fosse um momento, resguardado em teu corpo
Tomarias de assalto a minha vida
Seriamos um único ponto de onde nasce a única verdade
Que determina e segue a luz reflectora
De crenças remotas, terrenas e obscenas

(Transformo-me em pensamentos insanos
Ateio-me em fogos que ardem incensados sem pudor)


Alio-me a ti, mesclado em maresias de sabores agrestes
Tens-me aqui, espelhado em futuros lentos
Vem, abraça-me uma vez mais
Diz que um dia o meu coração não parará
Que os céus receberão minh´Alma, pura e leve.

(Quisera eu, que fosses o Universo prostrado a meus pés
E afastaria o véu que me cobre o peito nu)

Resquícios de fogo ardem agora nublados
Céus enchem-se de imensidões nocturnas
Saio para a noite e a madrugada teima em desflorar
Desvanecem-se de mim os medos na fugacidade de um momento
Atroz sentimento este…o de não poder estar contigo

(E ainda me dispo da noite
Quisera eu, ser todos os sorrisos e gastá-los na tua boca)

(Dueto com Joma Sipe)

3 comentários:

Luis F disse...

Nas asas do vento, trouxe-te um poema:

"As palavras
São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas...."
Eugénio de Andrade

Adorei visitar-te e de ler este dueto. Estás de parabéns pelas palavras e pelo poema.

Luis

Sonia Schmorantz disse...

Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,
e o sono, a mais incerta barca,
inda demora,
quando azuis irrompem
os teus olhos
e procuram
nos meus navegação segura,
é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas,
pelo silêncio fascinadas.

Eugénio de Andrade

Um lindo domingo e uma semana de paz e sucesso em tudo que fizer.
Um abraço

Sônia

BEIJAFLOR disse...

Passei, gostei, fiz-me seguidor e vou voltar.
Beijinhos
Beija-flor