quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Ilusão Demente (de Giraldof)

(imgem Google)
*
O tempo é translúcido,
A ilusão opaca, demente.
Nas linhas de teu corpo,
Meu desejo, transparente.

Percorri teus trilhos, letras tuas,
Persegui teus murmúrios, tua voz,
Atravessei mundos de dois sóis.

Vesti tua seda, bebi sedes nuas,
Claustro é meu corpo em vela acesa,
Chama de brancos lençóis.

(Minhas feridas são imperfeitas costuras,
Suturadas em inesquecida dor.
Meu corpo é remendo puro,
Rendilhado na sombra do amor).

Translúcido é o tempo,
Opaca a existência, ausente.
Nas linhas de meu corpo,
Teu desejo, transparente.

Utopias são segredos de alma,
Versos sussurros do Ser.

Filipe Campos Melo (Giraldof)

- Natural(mente) e sem utopias, mas com todas as que quisermos conhecer em nós no encontro com o nosso eu mais real na interacção com todos os outros. Um livro que me esta a dar imenso prazer ler e que aconselho vivamente. Agradeço ao Filipe Campos Melo pela partilha

2 comentários:

Porta-Sonhos disse...

Uma honra ler os meus poemas no teu blog.

Agradeço os teus infindáveis carinhos.

Bjoca.

Giraldoff

anacoelho disse...

Um poema sublime um voo de emoções nas palavras...

Beijos